Avalon
   
   
  Última atualização   25 de junho de 2019 | 06:58:34
Contato

Evacuação em Nova Lima afeta turismo e economia da cidade mineira


Incluída em: 18/03/2019 | 06:28


A evacuação na comunidade de Macacos, em Minas Gerais, no dia 16 de fevereiro, trouxe impactos para a economia da cidade de Nova Lima. Macacos, como popularmente é conhecido o distrito de São Sebastião das Águas Claras, é um dos destinos turísticos mais procurados na região de Nova Lima e atrai visitantes devido à beleza natural, com um cenário composto por montanhas, mananciais e cachoeiras. No carnaval deste ano, época bastante movimentada, a situação foi outra.

Segundo a prefeitura de Nova Lima, a estimativa foi de queda de quase 100% no número de visitantes em comparação com a expectativa inicial. O município ainda não tem um levantamento completo. "São 100 empreendimentos turísticos diretos afetados que impactam aproximadamente 600 empregos diretos, sem mencionar o efeito cascata em outras áreas. A programação de carnaval da forma como estava prevista para Macacos não foi realizada neste ano, uma vez que o governo municipal teve de reavaliar a viabilidade do evento, já que a atenção estava focada no atendimento e na segurança dos moradores", informou em nota a prefeitura.

A evacuação, ocorrida cerca de duas semanas antes do carnaval, foi motivada por uma reavaliação da Vale em suas estruturas após a tragédia de Brumadinho. De acordo com a mineradora, foram detectados riscos de rompimento da barragem B3/B4 da Mina de Mar Azul e 272 pessoas tiveram que deixar suas casas. Diante da notícia, mesmo pousadas localizadas fora do perímetro evacuado registraram cancelamentos de reservas.

"Das minhas 12 suítes, eu já tinha nove reservadas para o carnaval com os depósitos de 50% já efetuados. E foi tudo cancelado. Um dia depois que a sirene tocou, eles já mandaram e-mails e mensagens de WhatsApp solicitando o cancelamento. E nós ficamos bem no alto da montanha. Não adiantava explicar que nós não estamos na área de risco que foi evacuada. Até porque o hóspede quer fazer um passeio de quadriciclo, quer ir em algum restaurante lá no centro. Com as possibilidades limitadas, ele desiste de vir", contou Rejane de Oliveira Mello, proprietária da Pousada Farol da Serra.

Ela conta que conseguiu pagar os funcionários, porque a Vale acabou decidindo reservar todos os quartos para o período do carnaval para os moradores que foram retirados. "Muitos moradores que foram retirados das áreas de risco estavam em hotéis de Belo Horizonte. Mas como o carnaval de Belo Horizonte ficou muito procurado, a Vale fechou também com diversas pousadas de Macacos. Eu imagino que a intenção era alojar alguns moradores aqui, pois os hotéis de Belo Horizonte provavelmente já estariam sem vagas para o período. Mas, no fim, nós não recebemos nenhuma pessoa. Não veio ninguém. Mas eles pagaram o período do carnaval".

Rejane explica, porém, que apesar de a mineradora ter pago o valor da diária normal, o faturamento foi inferior ao planejado. "Nessa época, o valor sobe porque nós fechamos pacotes para todo o feriado. Mas nesse caso, a Vale não pagou o valor do pacote especial". A dona da pousada diz que o movimento continua fraco.

Situação similar é relatada por Julieta Araújo Lopes, proprietária da Pousada Maria Bonita. No seu caso, a dificuldade é maior já que não foi procurada pela Vale. "As reservas foram todas canceladas e nós tivemos que devolver os depósitos que já haviam sido feitos. Na sexta-feira, véspera do carnaval, tivemos uma procura de última hora e tivemos um número pequeno de hóspedes. Mas longe do esperado", contou. Ela afirma que a procura continua reduzida e avalia que a retomada das condições anteriores à evacuação será lenta, pois ainda há medo em visitar a região.

Bloqueio
O Ministério Público de Minas Gerais (MPMG) e a Defensoria Pública de Minas Gerais anunciaram na última sexta-feira (15) que moveram uma ação pedindo o bloqueio de R$ 2 bilhões da Vale para assegurar a reparação dos danos materiais e imateriais aos atingidos direta ou indiretamente pela evacuação em Macacos. Os órgãos também pedem que a mineradora seja obrigada a garantir integral assistência aos moradores desalojados, incluindo atendimento médico e transporte escolar.

Em outra ação movida pelo MPMG e pela Defensoria Pública, a Justiça já deferiu o bloqueio de R$ 50 milhões da Vale com o intuito de garantir o ressarcimento dos prejuízos causados aos moradores atingidos pela evacuação em Barão de Cocais (MG). No município, 344 moradores deixaram suas casas na madrugada de 8 de fevereiro devido aos riscos com a barragem Sul Superior da Mina do Gongo Soco.

Decisões do TJMG já haviam levado ao bloqueio de R$ 11 bilhões da mineradora por causa dos danos causados na tragédia de Brumadinho. Por sua vez, o Tribunal Regional do Trabalho de Minas Gerais (TRT-MG) bloqueou mais R$ 1,6 bilhão para o pagamento de indenizações trabalhistas relacionadas com o rompimento da barragem.

Agência Brasil

Pocos-Net 2017 2 Pocos-Net 2017 3 Pocos-Net 2017 4



ENQUETE

Sites Poços - Net | Anuncie | Central de Denúncias | Trabalhe na Rede Sulmineira de Provedores Ltda. | Política de Privacidade
© Copyright 1996-2013, Grupo Poços-Net - Todos os direitos reservados